O que é que define um bom livro?

Estes são, de longe, os posts que mais gosto de fazer. No fundo, o que deu vida ao blog e as primeiras publicações que fiz estão relacionadas com possíveis problemáticas e paradigmas do livro. (In)felizmente é um tema pouco abrangente e, por isso, faço este tipo de publicações com menor frequência do que gostaria.

Ao longo dos anos e do meu percurso profissional, de convívio com leitores enquanto livreira, com amigos e até mesmo ao longo do meu percurso académico, tenho-me apercebido de opiniões bastante mistas em relação àquilo que é considerado um bom livro. Nenhuma destas opiniões está necessariamente certa, nem 100% errada. Cada opinião é uma opinião e todas são válidas.
No entanto, existem vários tipos de leitores: os que lêem vários géneros, os que lêem um só género, os que lêem literatura "de cordel", os que lêem best-sellers [...] e os que lêem livros a que eu gosto de chamar "elitistas".
O problema com que me tenho deparado ao longo dos últimos anos é que, enquanto os demais leitores vêem qualquer livro como um potencial bom livro, os leitores "elitistas" consideram que tudo o que não sejam autores clássicos, contemporâneos premiados, autores de poesia ou autores publicados por três das nossas mais elitistas editoras em Portugal, é lixo.
Portanto, isto leva-me à questão... o que é que define um bom livro?
Eu, pessoalmente, acredito que um livro é como uma opinião, todos têm lugar no mundo (e Deus sabe que hoje em dia qualquer gato pingado escreve um livro), todos terão público (mesmo que seja apenas público suficiente para comprar 30 exemplares do livro e este nunca mais vender) e todos são potenciais bons livros até prova em contrário.
O que é que acontece? Claro que nem todos os géneros agradam a toda a gente... Enquanto para um "leitor elitista" é um crime dispensar tempo a ler livros Young Adult, para mim, por exemplo, é um crime dispensar tempo da minha juventude a ler Tolstói. Lerei, com toda a certeza, quando estiver reformada e tiver tempo para ler todos os livros que, com a quantidade de coisas que tenho para fazer hoje em dia, me vão levar um ano inteiro a ler.
Já li bons livros de editoras de elite, já li bons livros de todas as editoras e já li bons livros de todos os géneros. Bons livros podem ser livros que estão muito bem escritos mas têm um enredo menos bom, podem ser livros com uma escrita mais mediana mas com um enredo que prende do início ao fim. Enfim, há uma panóplia de características que compõem um bom livro. Um bom livro é aquele que queremos recomendar ao mundo inteiro para ler.
Por isso, considero que o género não faz o livro ser bom ou não. Penso que existe muito esse estigma mas parece-me, mais uma vez, que este é um problema que afecta sobretudo o nosso país. Nos EUA, por exemplo,leccionam-se cadeiras de todos os géneros de literatura em cursos superiores - suponho que não existam para se estudarem maus livros... Claro que hão-de falar do melhor e também do pior.
Tenho alguma dificuldade em perceber o que é que pode levar as pessoas a crer que todos os livros de um determinado género - e vejo "embirração" sobretudo com tudo o que é young adult, desde fantasia até contemporâneos, eróticos e até policiais - não prestam se nem sequer se dão ao trabalho de os ler... Compreendo que não gostem do género ou não se identifiquem mas, vá lá, falar mal por falar mal é muito pouco digno de elite ;)

Esta é só a minha modesta opinião como espectadora muito assídua de leitores desde tenra idade :P O que é que, para vocês, faz com que um livro seja bom? Partilhem a vossa opinião, desabafem, contem histórias que tenham ouvido relacionadas com este ou outro tema. O debate fica aberto aqui ou no facebook a quem queira participar!

Comentários

Mensagens populares